Ultimas postagens.

quarta-feira, 18 de abril de 2018

MP oferece denúncia contra Mano Dadai e a ex-mulher, e pede devolução de R$ 55 mil aos cofres públicos.


Vereador e a ex-mulher foram presos nesta quarta-feira (18) por crimes de peculato, inserção de dados falsos em sistema e associação criminosa. As prisões fazem parte da 6ª fase da Operação Perfuga.


O Ministério Público do Pará (MP-PA) por meio da Promotoria de Justiça de Santarém, oeste do estado, ofereceu denúncia ao vereador Yanglyer Glay Santos Mattos, o Mano Dadai (PRTB) e a ex-mulher dele, Patrícia Pereira Gonçalves, presos nesta quarta-feira (18) na 6ª fase da Operação Perfuga. O MP pede ainda a devolução de R$ 55 mil aos cofres públicos.

vereador e a ex-mulher foram presos por crimes de peculato e inserção de dados falsos em sistema e associação criminosa. A denúncia contra o vereador Mano Dadai e Patrícia Gonçalves foi apresentada hoje à Justiça. Caberá agora ao juiz decidir se acata ou não.

De acordo com o delegado Kleidson Castro, durante o inquérito, testemunhas afirmaram que não houve trabalho efetivo da servidora na Câmara. A própria indiciada confessou que desde 3 de novembro de 2015 até dezembro de 2016 não trabalhou um só dia na Câmara. Que havia prestado serviços ao próprio ex-vereador, o que não foi confirmado por ele.

Segundo o promotor de Justiça Rodrigo Aquino, o vereador foi indiciado por ter contribuído para desvio de recursos públicos, pois quando era apenas um líder comunitário e presidente de um partido político negociou emprego para sua esposa à época, sem que ela nunca tivesse trabalhado na Câmara.

O cargo seria para Mano Dadai, mas como era líder político ele não queria aparecer, então pediu para lotar Patrícia, sua esposa à época. Foi beneficiado financeiramente, uma vez que Patrícia foi lotada como chefe de gabinete recebendo de salário R$ 4 mil.

"O indiciado Mano Dadai começou na corrupção e chegou à Câmara por conta da corrupção que resultou no processo de cassação de Reginaldo Campos. Não é esse o tipo de conduta que se espera de um agente público", disse o promotor Rodrigo Aquino.

O promotor destacou que cada vereador é beneficiado com uma verba de R$ 15 mil para contratar assessoria, conforme a resolução 007/201, da Câmara Municipal, o que acaba por contribuir com a negociações de cargos pelos parlamentares.

Aliança escusa

A promotora Maria Raimunda que tem designação especial para acompanhar todos os procedimentos referentes à Operação Perfuga, comentou sobre a conduta de Mano Dadai ressaltando que uma pessoa que exercia papel social junto à comunidade do Santarenzinho valeu-se para pleitear uma aliança escusa no final de 2015 com Reginaldo Campos, já pensando na campanha política de 2016.

"A gravidade do fato deve merecer a reprimenda necessária, porque o recurso público deve ser utilizado em favor da população. Nenhum agente político deve ser eleito com base na corrupção", disse Maria Raimunda.

Sobre as investigações, a promotora disse que não há escolhas políticas partidárias na Operação Perfuga. Segundo ela, as investigações estão sendo realizadas com bases sólidas e à medida que as informações surgem.

Existem procedimentos investigativos no MP e na Polícia Civil, mas os nomes não serão divulgados. A população tem colaborado com informações e o sigilo tem sido garantido, inclusive por meio de cláusula da colaboração premiada.

Mano Dadai está preso no quartel do Corpo de Bombeiros e Patrícia Gonçalves foi encaminhada para a Central de Triagem Feminina do Centro de Recuperação Agrícola Silvio Hall de Moura.

Port@l do Oeste News
G1 Santarém